Pesquisa

Aviso
Devido ao processo de migração da Banca Livraria Popular para o site da Pueblo Livraria, pedimos para enviar e-mail confirmando a disponibilidade dos livros antes de compra-los por este blog.

Filosofia - fundamentos e métodos




 Este livro é para professores formados e em formação, apresenta uma visão do que é educação e educação escolar e discute a possibilidade de um trabalho de iniciação filosófica com crianças e jovens. Indica conteúdos para o ensino.


FICHA DO LIVRO



Editora: Cortez
Páginas: 232
Peso: 394 g
Formato : 16x23cm


Gênero: Filosofia - Educação

ISBN: 9788524908569


Ler Mais

Movimentos Sociais, Trabalho Associado e Educação para além do capital


 Esta coletânea reúne artigos de jovens pesquisadores compromissados com as lutas emancipatórias dos movimentos sociais surgidos na América Latina a partir da década de 1980. O leque é vasto e permite ao leitor e aos próprios movimentos sociais uma atualização do debate contemporâneo: são abordadas as lutas do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem terra do Brasil, as contradições do movimento das Fábricas Recuperadas na Argentina e no Brasil, os avanços e recuos das lutas dos Piqueteiros e dos Catadores e os limites das lutas por habitação popular e pela construção da autogestão na América Latina. Da mesma forma, as conquistas do movimento indígena no Equador, as recentes lutas sociais no Haiti, o Zapatismo no México, os impasses dos conflitos venezuelanos, as estratégias adotadas por centrais sindicais não atreladas ao Estado, dentre outras.

Acesse: http://pueblolivraria.com.br
Peso: 600 g

Gênero
: Ciências Sociais - Serviço Social - Educação

ISBN: 978-85-6442-122-6


Ler Mais

Encarceramento em massa e criminalização da pobreza no Espírito Santo



 Encarceramento em massa e criminalização da pobreza no Espírito Santo, livro de Humberto Ribeiro Jr., mostra a falência da política penitenciária brasileira, focando-a no Estado do Espírito Santo. Local de certa riqueza, por conta da exploração extrativista do petróleo, poucos poderiam imaginar o verdadeiro caos penitenciário desse Estado do Sudeste.

Como presidente do CNPCP — Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária — conheci pessoalmente muitas penitenciárias problemáticas. Urso Branco (Rondônia), Aníbal Bruno (Recife), Presídio Central de Porto Alegre (Rio Grande do Sul), Penitenciária de Pedrinhas (Maranhão) e tantas outras, atormentam os defensores de direitos humanos e as autoridades penitenciárias. Mas nada disso se avizinha ao que acontece(u) no Espírito Santo.

Penitenciárias privadas com estrutura física irrepreensível conviviam com verdadeiras masmorras medievais. O complexo penitenciário de Viana tinha duas penitenciárias privatizadas para 277 presos cada (com 277 internos), convivendo com uma enxovia, chamada de CASCUVI (Casa de Custódia de Viana), que era de fazer inveja a Auschwitz-Birkenau, um dos piores campos de concentração nazista. O calabouço, com mais de 1.200 presos, não tinha luz (salvo a das muralhas) e só tinha fornecimento de água por uma hora por dia. Pessoas com doenças de pele grassavam naquele aljube. Corpos tomados por escabiose, sofrimentos evitáveis com alguns bons banhos, eram encontradiços naquele cárcere fétido e escuro. Pessoas morriam às escâncaras enquanto as penitenciárias privadas não tinham quaisquer excessos de presos, em face das vagas oferecidas, para que não houvesse denúncia dos contratos firmados entre governo e empresas.

O choque causado pelos contrastes descritos, potencializados por centenas de pessoas que viviam em containeres — SIM, CONTAINERES! —  fizeram do Espírito Santo um paradigma contrastante da pós-modernidade e pré-modernidade. Não por outra razão, profissionais calejados com as vicissitudes carcerárias do país, chocaram-se com o quadro relatado à Nação.

Humberto Ribeiro Jr., descreve este quadro com percuciência e firmeza. Dá o adequado enquadramento teórico do fenômeno, mostrando tratar-se de uma prisão da miséria, locais diferentes para recolhimento dos mesmos de sempre.

O paradoxo da pós-modernidade se traduz por uma equação temporal. Enquanto as pessoas livres estão constantemente ocupadas e sem tempo para suas atividades pessoais, vivendo num presente perpétuo, isolados do passado e também do futuro, condenam-se alguns à perda da liberdade, ilhando-os num mundo oposto: redundante e inútil. Estas pessoas são esfaceladas e diluídas num mundo em que nada acontece. Elas não mais controlam o tempo — bem como não são controladas por ele, como os ancestrais do mundo fabril, governadas que eram pelo relógio. Elas só podem matar o tempo, enquanto, ao poucos, o tempo as mata.

Faz muito tempo que o Brasil resolveu substituir o estado de bem-estar por um estado penal. Fez isso como experiência e, não obstante o fracasso dessa política, continuou a fazer o mesmo. O fracasso chegou a ser retumbante. Para a retumbância reiterada, Einstein dá o nome de Insanidade.

O grande mérito deste livro é exatamente o de desnudar, no local em que a contradição mais se aguçou, o horripilante quadro carcerário do próprio Brasil. E mostrar a total insanidade dessa política repressiva.

Sérgio Salomão Shecaira
Professor da USP e Ex-presidente do CNPCP


Acesse: http://pueblolivraria.com.br



FICHA DO LIVRO


Editora
: Cousa
Páginas
: 96
Ano:
2012
Edição:


Gênero
: Direito
 
ISBN
:
978-85-63746-18-4



Ler Mais

Revolução Russa - história, política e literatura






 José Carlos Mariátegui não é apenas o autor de um magistral estudo marxista sobre a realidade peruana; ele é simplesmente um dos grandes pensadores marxistas do século XX. Esta bela coleção de 50 ensaios – em sua grande maioria inéditos no Brasil – sobre a revolução e a cultura russa, organizada por Luiz Bernardo Pericás, é mais uma demonstração da universalidade e originalidade de uma obra cuja projeção internacional se torna cada vez mais evidente à medida que passam os anos. Os textos aqui reunidos – sobre a Revolução Russa e seus protagonistas (Lenin, Trotsky, Lunatcharsky, Larissa Reissner), assim como sobre a literatura russa (Máximo Gorki e Serguei Essenin), sem esquecer o teatro e o cinema – são documentos excepcionais de uma reflexão marxista “hetedoxa”, que se situa no ápice dialético da convergência entre cultura e revolução.  Michael Löwy.


Acesse: http://pueblolivraria.com.br


FICHA DO LIVRO


Editora : Expressão Popular
Páginas
: 304
Ano: 2012
Edição:
Peso355 g


Gênero
: Marxismo - Política - História - América Latina
 
ISBN
: 978-85-7743-199-1



Ler Mais

Cultura política e assistência social

Autora: Heloisa Maria José de Oliveira.

 Uma análise das orientaçõesde gestores estaduais.


 Este livro mostra que a cultura dos gestores da Assistência Social é democrática, no que tange à dinâmica descentralizada e participativa prevista na legislação referente a essa política, mas, ao mesmo tempo, apresenta tendências favoráveis às culturas tecnocrática e clientelista.
Acesse: http://pueblolivraria.com.br


FICHA DO LIVRO


Título: Cultura política e assistência social
Autora: Heloisa Maria José de Oliveira

Editora: Cortez
Páginas: 224
Peso: 340 g
Formato : 16x23cm


Gênero: Serviço Social

ISBN: 9788524909849

Ler Mais

Crise de materialidade no Serviço Social


 Repercussões no mercado profissional.


Nesta obra, a autora busca focalizar a crise da materialidade do Serviço Social vinculada ao setor público estatal, inscrita no interior da crise capitalista brasileira, a partir de meados da década de 80. Crise que se apresenta com uma dupla dimensão: de um lado, a redução da base material do exercício profissional; de outro, uma possível hipertrofia da função sociopolítica da profissão.
FICHA DO LIVRO



Editora: Cortez
Páginas: 200
Peso: 250 g
Formato : 14x21cm

Gênero: Serviço Social

ISBN: 9788524907555


Ler Mais

A Assistência na trajetória das políticas sociais brasileiras

Autores: Maria Carmelita Yazbek, Aldaíza de Oliveira Sposati, Dilséa Adeodata Bonetti e Maria do Carmo Falcão.



Esta obra suscita, de forma renovada, diversas preocupações para todos aqueles que se interessam pelo assunto. São pontos marcantes deste estudo: o exame de várias formulações de política social, a presença da assistência no conjunto de tal política, as singularidades da assistência e do assistencialismo, e ainda suas relações com o Serviço Social.

Acesse: http://pueblolivraria.com.br


FICHA DO LIVRO


Autores: Maria Carmelita Yazbek, Aldaíza de Oliveira Sposati, Dilséa Adeodata Bonetti e Maria do Carmo Falcão

Editora: Cortez
Páginas: 122
Peso: 145 g
Formato
: 14x21cm

Gênero: Serviço Social

ISBN: 9788524900334


Ler Mais

Assessoria, consultoria & Serviço Social




Os textos aqui reunidos são de fundamental importância para todos os que se preocupam em desenvolver seu exercício profissional numa perspectiva crítica compromissada com a construção de uma sociedade mais justa, mais igualitária e realmente emancipada. A obra, lançada originalmente em 2006, sob outro selo editorial, ocupará, a partir desta 2ª edição, revista e ampliada, lugar de destaque no acervo da Cortez Editora. A inclusão de um novo texto, que analisa o protagonismo do fórum em defesa da saúde pública, enriquece ainda mais o conjunto de aportes trazidos por este livro, no que diz respeito aos dilemas que comparecem na intervenção de assistentes sociais e de profissionais de aeras afins, que buscam imprimir sem eu fazer cotidiano a perpectiva ético política cosntruída ao longo das últimas décadas no Serviço Social. (Elizabete Borgiani).

FICHA DO LIVRO



Editora: Cortez
Páginas: 312
Peso: 560 g
Formato
: 16x23cm
Gênero: Serviço Social

ISBN: 99788524916199


Ler Mais

O negativo do capital

AutorJorge Grespan.


O presente trabalho retorna aos fundamentos da crítica de Marx ao capitalismo reconstituindo-os pelo seu avesso, seu “negativo”. Tal intenção já evidencia a necessidade de discutir a relação conflituosa entre a dialética de Marx e de Hegel, para daí superar – agora no sentido da “Aufhebung” – dilemas tradicionais da teoria das crises, como as falsas alternativas de colapso ou ciclo, determinismo ou mera casualidade. O conceito de crise funciona aqui como um fio condutor, explicitando a cada momento o conceito de capital e a eclosão das suas contradições reais, enriquecendo gradativamente o seu sentido e desnudando os seus fetiches. Pois é só a imersão no negativo que pode revelar o lado apenas formal das imposições do capital, permitindo daí a correta avaliação da sua força e dos meios para enfrentá-la.

Acesse: http://pueblolivraria.com.br


FICHA DO LIVRO


Editora
: Expressão Popular
Páginas
: 256
Ano:
2012
Edição:

Peso350g


Gênero
: Marxismo - Filosofia - Economia
 
ISBN
: 978-85-7743-201-1





Ler Mais

Compre aqui na Banca Livraria Popular através do PagSeguro-UOL